Somos mesmo influenciados por nossas amizades?

Muito mais do que imaginamos.

Durante nossos 6 milhões de anos de evolução, os seres humanos que mais deixaram descendentes foram os que se acostumaram a andar em bando e ter uma boa posição dentro dele.

Quanto mais valiosos dentro do grupo, mais descendentes geravam.

Essa história evolutiva resultou num cérebro sedento por relações sociais e classificações que diferenciem um grupo de outro e os membros entre si.

Hoje, essa herança da seleção natural funciona assim: ao se identificar com um grupo, a criança tende a agir conforme as regras internas daquelas pessoas, tentando encontrar um papel que lhe renda uma boa posição entre os membros.

De certa maneira, estaria tentando realizar sua missão na Terra: ganhar a proteção do mesmo sexo, para não ser atacado, e atrair o oposto, para se reproduzir.

A identificação com um grupo deixam marcas permanentes na personalidade.

É assim que o gordinho da turma vira o gordinho engraçado: ele usa o humor para conquistar atenção.

Assim se explicaria também a garota mais bonita da sala que não se preocupa em desenvolver a inteligência, visto que a beleza já a destaca.

Outro grande exemplo são os filhos de imigrantes.

Apesar da língua, da religião e dos costumes que os pais tentam transmitir, a criança os ignora facilmente quando começa a ter contato com amigos do novo país.

Aprende o idioma de uma hora para outra e, em poucos anos, se parece muito mais com os amigos que com os pais.

Em uma pesquisa com “panelinhas” de estudantes por volta dos 12 anos, se evidenciou que crianças de um mesmo grupo tinham notas e atitudes parecidas na escola.

Se fizer parte de um grupo em que o desempenho escolar é importante, a criança se estimula a ter melhores notas.

Se não conseguir, é provável que vá para outra panelinha.

Esta teoria explicaria por que pais normais, que seguiram sempre as regras da boa educação, ás vezes se deparam com um filho criminoso.

Talvez nossos avós não estivessem errados ao se preocupar tanto com as más companhias.

 


Gostou deste artigo?

+ Leia mais: Como o clima influencia seu humor

+ Leia mais: Frio é psicológico?

+ Curta nossa página no Facebook